Julho 2017 ~ Rádio Cidade GOSPEL

04/07/2017

Isadora Pompeo lança o EP Musile Sessions


A cantora e compositora Isadora Pompeo, uma das principais apostas da gravadora paulista Musile Records, lançou, nesta última sexta-feira (30) o extended play Musile Sessions. Compilado de todos os singles e videoclipes que liberou nos últimos meses, o projeto é distribuído também em formato físico.
O álbum conta com produção musical de Hananiel Eduardo, responsável por trabalhar com nomes como Livres para Adorar, Gabriela Rocha, Bruna Olly, Avivah e Chris Durán. O repertório é predominantemente autoral, e foi tocado de forma acústica.
“Antes de ser um excelente produtor musical, o Hananiel é uma pessoa de intimidade com Deus, e isso foi fundamental em tudo. No início ficamos apavorados, pensando em como faríamos para em uma semana compormos 8 musicas boas… No fim das contas, em três dias tínhamos 12 musicas muito boas e prontas”, disse.
A cantora também falou da notoriedade ganhada em um espaço curto de tempo. “Tudo tem acontecido muito rápido na minha vida, são realmente muitas mudanças em pouco tempo. Primeiro o YouTube, depois o início da parceria com a Musile Records…”
“Lembro de um dia receber uma palavra dizendo que Deus teria pressa para o meu ministério, e realmente eu estou vendo isso tudo se cumprir. A melhor forma de lidar com tudo isso é devolver pra Ele tudo o que Ele tem me dado, e a Musile Records é um presente de Deus para mim, e honro a Deus por isso”, afirmou.
Faixas do EP
1. O Teu Amor
2. Toca Em Mim De Novo
3. Deus Perfeito
4. Oi, Jesus
5. Guia-me
6. O Nome de Jesus

Deserto de Revelação é o nome do próximo disco do Diante do Trono



A banda Diante do Trono gravou, no último mês de junho, o seu futuro trabalho de inéditas. O título do álbum, anunciado nas redes sociais, é Deserto de Revelação. O disco, que contará com direção de vídeo de Alex Passos, ainda possui a participação de Gustavo Soares, marido de Nívea Soares, na parte técnica.
Deserto de Revelação foi escolhido após uma enquete elaborada por Ana Paula Valadão para o público. Além do título definitivo, outra opção era Águas do Jordão. O projeto foi gravado na Jordânia e é o segundo trabalho internacional do grupo mineiro que, em 2015, lançou Tetelestai.
A gravação foi anunciada desde 2015, quando Valadão disse, em entrevista ao programa De Bem com a Vida, que o projeto seria gravado em 2016. Os planos da banda, nesse ínterim, mudaram. Ano passado, o grupo lançou o projeto Imersão e gravou, este ano, Imersão 2.
inte anos
Prestes a completar 20 anos de carreira, a banda tem vivido, nos últimos anos, várias mudanças, como a saída de integrantes e a participação de vários músicos convidados, como o cantor e compositor Fred Arrais, que tem participado como guitarrista em alguns projetos.
Em 2018, o álbum Diante do Trono, que deu início à discografia do conjunto da Igreja Batista da Lagoinha, completa duas décadas de lançamento, e revelou a banda ao cenário nacional com músicas como “Te Agradeço“, “Deus de Amor” e “Não Temas”.

"Barulho de igrejas incomoda, mas de festas não?", protesta deputada sobre fiscalização


Após um órgão especial do Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE) suspender a Emenda à Constituição, que isentava igrejas e cultos da fiscalização sobre ruídos e alvarás, a deputada Dra. Silvana (PMDB - CE) protestou contra a decisão judicial, tomada na última quinta-feira (22).
Evangélica, a deputada classificou a medida como uma "intervenção inaceitável" da Justiça sobre o Poder Legislativo e assegurou que já entrou em contato com a Procuradoria da Assembleia para recorrer no caso.
A suspensão da Emenda segue uma ação do Ministério Público do Ceará (MP-CE) que acusa a medida de ferir a Constituição Federal. O órgão informou que a PEC da Assembleia se sobrepõe à obrigação do poder público de fiscalizar adequadamente o funcionamento de prédios, bem como a de garantir o sossego.
“O que nós vemos são muitos eventos com efusividade exagerada, que incomodam os vizinhos e geram conflitos severos, diversas vezes chegando às vias de fato (…) nós temos direito ao sossego”, disse a procuradora Vanja Fontenele, que representa o MP no julgamento da ação.
Porém Dra. Silvana também apontou que o Ministério Público faz "vista grossa" para muitos eventos que realmente desrespeitam os limites sobre barulho e aplica a lei com bastante rigor sobre igrejas.
“O Ministério Público vê boates e festas funcionando até 5h da manhã, mas fecha os olhos. Com missa, com culto, não. Tem pastores sendo humilhados, sofrendo perseguições”, disse a parlamentar, que também é autora da Emenda suspensa. "Barulho de igrejas incomoda, mas de festas não?".
O relator do caso e desembargador Fernando Ximenes também compreendeu que a Emenda "viola os princípios da isonomia, da defesa e proteção do direito fundamental ao meio ambiente equilibrado e do combate à poluição sonora". Ele afirmou que a medida viola poder fiscalizador e deveria ser suspensa.

"Cristãos não devem ser tolerantes com tudo, pois o próprio Deus não é", diz pastor



Como cristãos, estamos sujeitos a viver em diversos grupos sociais, seja no trabalho, família, bairro, faculdade, escola. Por isso, lidamos com muitas situações que podem desagradar a Deus. Como devemos proceder diante um desafio assim? Kevin deYoung, o pastor principal da University Reformed Church, em East Lansing (Michigan - EUA), tem uma resposta simples e direta.
“Cristãos não devem ser tolerantes com tudo, uma vez que Deus não é. Nós podemos respeitar opiniões diferentes e tentar entendê-las, mas não devemos afirmar incondicionalmente e sem avaliação toda crença e comportamento, por que Deus não faz isso. Nós devemos amar o que Deus ama. Foi aí que Éfeso falhou. E devemos odiar o que Deus odiou. Aí que Tiatira falhou”, comentou o pastor em artigo publicado no site The Gospel Coalition.
O pastor cita uma das sete cartas do livro de Apocalipse, a de Tiatira. “Das sete cidades de Apocalipse, Tiatira é a menos conhecida, a menos impressionante e a menos importante. E, ainda assim, é a maior carta das sete. Havia muita coisa acontecendo nessa igreja – algumas ruins e outras boas”, comenta. Ele começa citando as coisas boas. “Éfeso foi louvada por suas benfeitorias e seu forte trabalho ético. Tiatira é ainda melhor. Ela tinha os mesmos feitos que Éfeso teve e o amor que faltou a esta”, ressalta.
“A igreja em Tiatira não era sem virtudes genuínas. Era um grupo unido que amava, servia, cria e perseverava. Talvez Tiatira fosse o tipo de igreja que você entra e já se sente parte: ‘Prazer em conhecê-lo. Venha, deixa-me apresentá-lo aos meus amigos. Somos muito gratos de tê-lo conosco’. Era uma igreja que se importava, que se sacrificava e amava”, continuou.
Apesar da igreja ser tão amorosa, o pastor aponta algo que estava muito errado. “Essa era a parte boa. E a parte ruim? O amor dela podia ser sem discernimento e cegamente afirmativo. O grande problema de Tiatira era a tolerância. As pessoas de lá toleravam falsos ensinamentos e comportamentos imorais, duas coisas com as quais Deus é ferozmente intolerante. Jesus diz: ‘você é amorosa de diversas formas, mas a sua tolerância não é amor. É infidelidade’. O pecado específico de Tiatira era a tolerância com Jezabel”, explica.
O que fazer em situações que desagradam a Deus?
O pastor ilustra seu ensinamento com uma história onde um cristão fica frente a frente com o desafio de obedecer a Deus ou ser conivente com outro deus. Ele questiona: “O que você faria nessa situação? Ficaria ou iria embora? O que a sua participação significaria para seus companheiros cristãos, para o mundo e para Deus? Essas festas, com sua idolatria e folia sexual, que muitas vezes as seguiam, eram parte normal da vida do mundo Greco-romano. Ficar de fora poderia ser algo social e economicamente desastroso”, disse.
“Esse é o motivo pelo qual os falsos mestres, como essa Jezabel em Tiatira eram tão ouvidos. Eles tornavam o ser cristão em algo muito mais fácil, menos custoso e muito menos contracultural. Mas era um cristianismo diluído e vendido, e Jesus não iria tolerá-lo. Ele iria usar Tiatira como exemplo para mostrar a todas as igrejas que Jesus tem olhos de fogo, puros demais para ver o mal, e pés de bronze polido, santos demais para caminhar entre a maldade. Ele queria que todas as igrejas soubessem que Ele é quem perscruta as mentes e corações e que irá punir todo mal não arrependido”, alertou.
Segredos profundos
Para finalizar, Kevin ressalta o pecado de Jezabel. “O erro de Jezabel era um pecado sério, arraigado e sutil. Provavelmente ela havia dito às pessoas que os ‘segredos profundos’ não iriam prejudicá-los. O que está acontecendo é, provavelmente, algum tipo de falso ensinamento que desvalorizava o mundo material. Essa Jezabel poderia estar falando: ‘O mundo físico não importa. O espiritual é o que conta. Então participem das festas aos ídolos e façam o que vocês quiserem sexualmente. Deus não liga para isso’. Independentemente do que ela estivesse falando, era uma mentira e estava levando o povo ao pecado”, colocou.
O pastor finaliza seu artigo afirmando que é importante que os cristãos avaliem bem tais desafios e que optem por permanecer dentro da vontade de Deus, por mais que haja pressão da sociedade. “A igreja era mais tolerante do que Jesus, o que nunca é uma boa ideia”, finalizou.

Mais de 50 igrejas são apreendidas pelo presidente da Turquia



Mais de 50 igrejas foram confiscadas por ordem de Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia. As apreensões estão sendo dirigidas pela Presidência de Assuntos Religiosos da Turquia (Diyanet).
Uma das ações mais recentes ocorreu na província de Mardin, no sudeste do país, que foi forçada a transferir suas igrejas, mosteiros, cemitérios e outros ativos da comunidade siríaca a tesouraria nacional da Turquia que, em seguida, passou o domínio para o Diyanet.
Entre as apreensões de Mardin está o Mosteiro Mor Gabriel, um dos mais antigos centros religiosos do mundo, que foi construído no século 4 d.C.
O presidente Erdogan tem intensificado a pressão sobre os direitos religiosos de todas as minorias na Turquia desde que o sistema parlamentarista foi substituído pelo presidencialista, em abril.
Em 2016, Erdogan tomou o controle de seis igrejas em Diyarbakir, que abrigavam congregações católicas, protestantes e ortodoxas. Uma das igrejas tinha mais de 1.700 anos de idade.
“O governo não tomou essas propriedades para protegê-las. Eles fizeram isso para adquiri-las”, disse na época Ahmet Guvener, pastor da Igreja Protestante Diyarbakir.
Erdogan lançou um programa repressão após tentativas de golpe de Estado, prendendo mais de 50 mil cidadãos turcos e demitindo muitos funcionários de cargos governamentais.